Há já alguns anos que começámos a ouvir falar de coaching, primeiro de forma esporádica, com meio mundo a não saber do que se tratava, ou a achar que era algo para os desportistas, mais tarde uma coisa do meio empresarial de topo… mais tarde, com as diversificação das certificações de coaching em Portugal, assistimos a um proliferar de profissionais, que desbravaram caminho, e chegamos hoje a uma oferta imensa, talvez até excessiva para o atual mercado nacional.

Mas o que acontece é que ainda muita gente acha que coaching são frases feitas que se partilham nas redes sociais, e clichés fáceis do tipo: “se tu queres, tu consegues!” ou “a tua vida muda, quando tu mudas”… não é que não acredite no que dizem as frases, mas que treta, coaching não é nada disso! Querer, não chega, nem para a encomenda! Sonhar, por si só, não é suficiente! Fazer, isso sim, já dá para qualquer coisa… Mas convém saber o que se faz, como se faz, quando se faz!

Se o coaching está na moda e anda meio mundo a partilhar frases inspiradoras e textos motivacionais, então por que raio não estamos todos ricos, magros, famosos, ou lá o que seja o sonho de cada um? Porque meio mundo prefere partilhar frases, deitá-las pela boca fora, em vez de se sentar a efetivar um plano para a sua vida, e para as pequenas metas que gostarias de cumprir.

Centenas, provavelmente milhares de pessoas, frequentam formações, palestras, seminários, workshops, fórmulas mágicas anunciadas em pacotes de 3 horas e toma lá 25 euros! A malta sai de lá aos pulos, coração acelerado, cheio de vontade de mudar de vida, emprego ou namorada… e mais ou menos 48 horas depois está em frente ao ecrã a partilhar frases bonitas… novamente. Seria de esperar que, com o coaching na moda, com centenas de blogs e páginas sobre o tema, cursos, webinars e e-books, já estivéssemos todos a viver na Polinésia Francesa com os pezinhos a engelhar dentro de água. Mas não!

O coaching meus caros, é como a educação das criancinhas… começa em casa. Todos nós temos grandes sonhos… mas também temos sonhos pequenos, e simples… E por isso, o melhor é começar por praticar em casa: o que é que quero fazer de diferente hoje, para estar mais perto amanhã de cumprir qualquer coisa… Nem que seja ir passear o cão à rua, ou fazer uma caminhada de 20 metros… vá lá, 25!

Não vos vou massacrar aqui com a “Técnica Exclusiva Para Conseguir Tudo o Que Quer, em Apenas 3 Espirros!” Vão ao Google, procurem: Perguntas Poderosas; Crenças Limitantes; Desenhar Planos de Ação… peguem em toda a informação gratuita e disponível (porque graças aos céus, o coaching está na moda!) e apliquem isso em pequenas coisas do dia a dia. Em pequenas mudanças que queiram fazer na vossa vida, no vosso trabalho ou na vossa relação.

Porque, na verdade, se vocês não tiverem o hábito incutido de se colocarem em primeiro plano, de se colocarem no centro das vossas ações, e de atuarem na vossa vida de forma estruturada, orientada e estratégica… não é um coach que vai fazer isso por vocês. Quando já conseguirem ter essa atitude nas pequenas coisas da vida, e estão perante um objetivo mais complexo, desejam uma mudança mais profunda numa determinada área de vida, então aí faz sentido procurar um coach que vos possa apoiar no processo. Vão lá ao Google… vão… E depois, um dia, falamos sim?

Liliana Ponces