Há um lado positivo nos conflitos?

Há um lado positivo nos conflitos?

Estamos habituados a encarar os conflitos como algo negativo, a evitar a todo o custo, e como única e exclusivamente gerador de desconforto… Mas será que há um lado positivo numa situação conflituosa? Nós abordamos no nosso dia a dia os conflitos nas empresas, entre colaboradores, entre departamentos ou perante a entidade empregadora, ou seja, em contexto de trabalho, mas de forma geral a nossa abordagem em formação acaba por ser útil em outros contextos. Por isso, achámos interessante partilhar aqui alguns pontos que trabalhamos na prática e aplicado à realidade de cada grupo, mas que são úteis para qualquer ser humano que já se tenha envolvido alguma vez numa situação desta natureza.

Entendemos por conflitos a exacerbação de divergências entre duas ou mais pessoas e sempre que essa divergência implica um envolvimento emocional das partes. De forma mais abrangente definimos ainda os conflitos como situações em que um ou mais objetivos, de uma ou mais pessoas, são mutuamente exclusivos, por serem incompatíveis, gerando assim, atitudes de hostilidade.

A primeira reação perante a palavra conflito é efetivamente a associação negativa, como o desencadear de sentimentos de frustração, hostilidade e ansiedade, o desgaste de energia causado pelas situações difíceis, as dificuldades de cooperação com a parte oposta, o alimentar de mal-entendidos e as incompatibilidades. Em ambientes mais propícios aos conflitos ocorrem, por estes fatores, uma baixa produtividade e competitividade, desmotivação e desinteresse na cooperação, um elevado nível de stress latente, e um ciclo de comportamentos distorcidos que perpetuam os conflitos.

Mas estas situações críticas são inevitáveis, são fundamentais ao nosso crescimento como indivíduo, ao desenvolvimento das relações pessoais e laborais e à evolução das organizações.

Então, o que é um conflito nos pode trazer de bom?

Quando os conflitos são encarados com assertividade e de forma construtiva, quando os elementos opostos conseguem aplicar técnicas para controlar as emoções e direcionar a comunicação no sentido da resolução, o que conseguimos é despertar sentimentos e estimular energias que são produtivas, produzindo interesse pela melhoria, aumentando a coesão, a motivação e o desempenho do grupo. Despertar a atenção para a existência de problemas é imprescindível à busca de soluções e alternativas e é um desafio ao crescimento em si.

Mas como não nascemos ensinados, deixamos muitas vezes que a emoção tome controlo, o conflito deixa de ser um confronto de ideias e passa a ser um confronto de egos que é preciso reverter e canalizar na direção certa. O conflito é inevitável, o que é opcional é transformá-lo num combate. Para experienciar o lado positivo que nasce em cada situação de conflito é preciso perceber essa diferença, trabalhar no auto-conhecimento, no auto-controlo e na clareza e eficácia da comunicação. Por isso se diz que apenas 10% de um conflito se deve a uma diferença de ideias… os restantes 90% são devidos ao tom de voz!